Editor Sobre Arquivo


Sadia

Por Mariana Melo

A história da Sadia é uma daquelas que dão orgulho de contar, principalmente por se tratar de uma trajetória vertiginosa que começou na pobreza e alcançou sucesso e reconhecimento. Attilio Fontana é o grande protagonista dessa história e sua vida seria digna de um conto de fadas: menino pobre, filho de camponeses, que vendia bolachas caseiras na rua para formar o pé-de-meia inicial. Teve o primeiro par de sapatos na adolescência. Não completou sequer o curso primário. Mas todas essas provações não foram obstáculos para que iniciasse pequenos negócios, até estabelecer-se em uma vendinha, em sociedade com o irmão e o pai. Aos 21 anos, tornou-se caixeiro e depois sócio de um armazém. Daí por diante, prosperou muito no comércio, principalmente comprando e vendendo porcos, atividade em que adquiriu experiência para montar um negócio de proporções fantásticas: a Sadia.

Attilio FontanaNo início da década de 40, preocupado com a situação financeira ruim de um frigorífico da cidade, o então prefeito de Concórdia, Santa Catarina, chamou Attilio Fontana para ajudá-lo. Atraído pelo potencial da região, que estava crescendo, o empresário assumiu a direção do frigorífico e em dois anos transformou-o na Sadia. Criada em 1944, por 27 sócios liderados por Fontana, a empresa começou com apenas um moinho de trigo, um abatedouro de suínos, ainda em obras, e uns poucos funcionários. O retorno dos investimentos aplicados no moinho permitiu completar a construção do frigorífico que, já em 1946, abatia mais de 100 animais por dia. Com a matéria-prima resultante, outros itens, como banha, toucinho, carnes salgadas, pernil, presunto, salame, lombo e lingüiça, entraram para a lista dos produtos da empresa.

O nome da nova empresa foi composto a partir das iniciais SA de "Sociedade Anônima" e das três últimas letras da palavra "Concórdia", DIA, virando marca registrada em 1947. No mesmo ano a Sadia abriu uma filial distribuidora em São Paulo e já se preparava para os próximos passos a serem dados nos anos 50: a conquista do mercado nacional. Attilio Fontana lançou, desde essa época, o trinômio que faria as bases de seu empreendimento: o respeito ao trabalho do homem, o cuidado com a terra e a valorização da técnica.

Nos anos 50, despontava o crescimento acelerado de São Paulo e a cidade recebia grandes investimentos, oferecendo mais empregos, melhor renda e mais oportunidade de consumo. Embora os olhos da Sadia já estivessem voltados para esse mercado, surgia um novo desafio: como transportar produtos perecíveis de Concórdia para São Paulo e Rio de Janeiro, os maiores centros consumidores, já que ainda não existiam os caminhões frigoríficos e as estradas eram precárias, tornando as viagens longas e demoradas.

A solução pioneira foi transportar em aviões os produtos delicados e perecíveis, a partir de 1952. Já em 1955 era criada a Sadia Transportes Aéreos que, além de seus produtos, oferecia opção de levar passageiros nas aeronaves.  O slogan da época ficou famoso: "Pelo ar, para o seu lar". Os produtos Sadia passaram a ser associados a uma imagem de sofisticação e avanço tecnológico. Dessa empresa originou a Transbrasil.

Em 1953, num lance estratégico deliberado para abrir um "front" industrial na capital paulista, a Sadia, com apenas 9 anos de existência, inaugurou sua primeira unidade fora de Concórdia - o Moinho da Lapa S.A. - na zona oeste de São Paulo. Com a iniciativa, a empresa começou a projetar sua visibilidade e sua credibilidade empresarial.

Os anos 60 foram marcados pelas primeiras produções e abates experimentais de perus em Concórdia, além dos primeiros contratos de exportação, em 1967, envolvendo carnes bovinas e suínas "in natura" congeladas. No ano seguinte o abate de frangos superou um milhão de unidades por ano. A Sadia começava a reverter a crença do brasileiro que "galinha é comida de doente". Em 1969, foi lançado o famoso hambúrguer Sadia. Até o final da década, uma diversificada linha de produtos - salsichas, hambúrgueres, almôndegas, quibes - pôde ser produzida em São Paulo, propiciando o ingresso no segmento de alimentos semiprontos congelados.


Primeira instalação em Concórdia, SC.

A empresa inaugurou os anos 70 com grande diversidade de operações. Sua imagem de qualidade e pureza passou a ter um mensageiro inesquecível, a partir da criação do personagem Lequetreque. O nome do personagem símbolo da marca, que usava capacete e óculos de motoqueiro, foi escolhido num concurso aberto aos consumidores. A imagem do frango surgiu, primeiro, em desenhos animados, tomando um banho refrescante antes de ir para a mesa do consumidor. Com o passar do tempo, o personagem se transformou em um ídolo com forte carisma, presente em grande parte das campanhas publicitárias da marca.

A figura simpática e alegre da Sadia revelava também o vigor de uma empresa que não parava de crescer e diversificar os seus negócios. Em 1974, foi lançado o Peru Temperado Sadia, um dos produtos de maior sucesso na história da empresa. Logo em seguida, a Sadia iniciou as exportações de frango congelado para o Oriente Médio e Europa, além de assumir a liderança entre os exportadores nacionais.

Gradualmente as exportações aumentaram e já em 1980 ultrapassaram os US$ 100 milhões. Em 1982 ocorreu dois marcos institucionais históricos: a criação do SIC - Serviço de Informação ao Consumidor Sadia, pioneiro na indústria alimentícia como primeiro canal direto de diálogo com consumidores, e a distinção da marca Sadia, pelo INPI, Instituto Nacional de Propriedade Industrial, como Marca Notória. A companhia finalizou a década de 80 exportando para 40 países e posicionando-se entre os maiores exportadores brasileiros. Presunto tipo Parma, diversificação nas linhas de hambúrgueres e de almôndegas, nuggets, steak de frango empanado, linhas de empanados de frango, semiprontos congelados e frios fatiados em embalagens individuais a vácuo foram alguns dos lançamentos que marcaram as inovações em produtos nos anos 80.

Como parte de sua internacionalização, entre 1991 e 1992, a empresa implantou filiais comerciais em Tóquio, Milão e Buenos Aires. Em 1997, a Sadia entrou em segmentos totalmente inéditos para a empresa, como as das linhas 7 mares, salgadinhos, empanados recheados, pizzaria e massas frescas. Para produzir as pizzas congeladas e as massas, foi em busca de tecnologia de ponta e implantou, em 1998, uma nova fábrica em Ponta Grossa, no Estado do Paraná.

Em 1999, foram feitas duas novas aquisições: a compra da empresa Miss Daisy, que permitiu à Sadia ingressar no ramo de sobremesas prontas congeladas, e da Granja Rezende, em Uberlândia, MG, centro de excelência em genética e produção de aves e suínos, permitindo à empresa posicionar um pólo industrial numa região geográfica estratégica do país.


Linha de produtos para exportação.

Em 2001 e 2003, a marca Sadia foi eleita a mais valiosa do setor alimentício brasileiro, em pesquisa divulgada pela Interbrand - consultoria inglesa conhecida pela tradicional lista de 75 marcas mais valiosas do mundo. Em janeiro de 2004, a Sadia iniciou a comemoração dos seus 60 anos de fundação. A empresa teve vários motivos para comemorar, como: a abertura de dois novos Centros de Distribuição - um em Chapecó (SC) e outro em Ponta Grossa (PR). No final de 2004, a Sadia anunciou ainda a aquisição da Só Frango Produtos Alimentícios, maior exportadora do Distrito Federal na época.

Em 2005, a Sadia decidiu retomar o abate de bovinos, em seu frigorífico de Várzea Grande, que estava arrendado ao grupo Friboi. Com isso, a empresa passou a oferecer cortes bovinos com as marcas Sadia (cortes nobres) e Sadilar. Um dos grandes destaques entre os lançamentos de 2005 foi o Hot Pocket: lanche de preparo rápido que inaugurou uma nova categoria de produtos no varejo brasileiro. Destinado ao público jovem, o Hot Pocket tornou-se um sucesso de vendas. A companhia ingressou também no segmento de produtos à base de proteína vegetal, com o lançamento da linha Sadia Vita Soja, cujos produtos apresentam sabor similar ao produto tradicional.

Em 2006, a empresa criou um Comitê de Sustentabilidade ligado ao Conselho de Administração para avaliar o desenvolvimento de suas atividades, levando em conta a performance econômico-financeira, ambiental e social. Além de promover alterações na estrutura organizacional da área comercial, a companhia anunciou reforços na área de marketing (com a missão de trabalhar mais fortemente a marca no Brasil e no exterior) e a criação de uma diretoria de relações internacionais.

Uma iniciativa relevante foi o patrocínio da Sadia às delegações olímpicas brasileiras que participaram dos Jogos Rio 2007. O acordo assinado com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) garantiu à Sadia exclusividade na categoria de alimentos, compreendendo todo o ciclo olímpico, que vai até os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

Hoje a Sadia constitui-se num conglomerado de cerca de 20 empresas. É a primeira empresa no ranking comercial brasileiro de aves, carnes industrializadas, suínos e bovinos, e a segunda no mercado de soja. Com mais de 30 mil funcionários, a Sadia mantém 12 unidades industriais e centros de distribuição espalhados por todo o Brasil. Exporta para mais de 60 nações e no exterior tem filiais e escritórios comerciais por vários países, abrangendo América Latina, Europa, Ásia e Oriente Médio.

Empresa: Sadia
Site: www.sadia.com.br
Contato: através do site
Ramo de atividade: indústria de alimentos
Funcionários: 52 mil
Faturamento: R$ 9,8 bilhões


Comentários